•  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

E aí, pessoal? Tudo bem?

No último post falamos sobre dores no ombro e demos algumas dicas de exercícios para prevenir lesões.

Se você não leu e gostaria de saber mais, recomendo dar uma olhadinha no post anterior: 5 dicas para evitar dores no ombro jogando tênis

Ou para quem está sem tempo para ler, recomendamos o vídeo que fizemos com exercícios de prevenção das dores no ombro:

https://youtu.be/rFkvwLkxswo

Para esta edição, resolvemos atender as várias pessoas que nos mandaram mensagens pedindo e perguntando sobre “problemas de cotovelo”.

Então, abordaremos novamente este assunto, pegando um gancho e complementando o excelente texto do nosso amigo e professor de tênis Hudson Cardia da HC Tennis de Brasília. Leia o post dele: Como evitar a lesão mais conhecida no mundo do tênis.

Só que agora, numa visão mais voltada para a reabilitação.

Um pouco mais sobre o cotovelo

A articulação do cotovelo é composta por 3 ossos, 3 articulações distintas e vários músculos que a cruzam, saem e/ou chegam até ela, permitindo 4 tipos de movimentos principais (flexão, extensão, pronação, supinação).

Diferentes movimentos do cotovelo
Diferentes movimentos do cotovelo

Ela requer estabilidade e mobilidade. Uma de suas principais funções é permitir e facilitar o alcance da mão em vários planos de movimento no espaço, por exemplo, para se alimentar e, claro, jogar tênis.

Ou seja, a articulação do cotovelo têm uma íntima relação com o punho e a mão. Sendo assim, ao se avaliar um problema de cotovelo, é necessário avaliar-se também as articulações do punho e da mão para ver a liberdade de movimento e se há alguma restrição.

Além disso, deve-se observar se o problema não é uma dor referida da coluna cervical, de onde sai toda a inervação da musculatura dos membros superiores.

Com esta visão, fica mais fácil compreender que em uma queda com a mão espalmada no chão (trauma), uma empunhadura ou movimento incorretos (sobrecarga), podem gerar transtornos no punho e consequentemente no cotovelo, ou então que uma dor no cotovelo possa ser consequência de um problema cervical associado a uma pessoa que usa muito computador ou tenha uma má postura.

 

Já ouviu falar da Epicondilite Lateral?

Em nosso meio, é a lesão de cotovelo mais comum. Além de comum ela é famosa e faz referência a nós tenistas: Quem nunca ouviu falar em “Cotovelo de tenista”?

Esta patologia está relacionada à inflamação dos músculos extensores do punho e dos dedos que saem do epicôndilo lateral do úmero. A dor pode aparecer espontaneamente ou ser de forma progressiva.

Pode estar relacionada a empunhadura errada, movimento incorreto, fraqueza muscular, excesso de treino e jogo, alterações estruturais das articulações do punho, cotovelo e cervical, ou compressões nervosas.

Aproveitei e trouxe aqui um infográfico bem legal feito no post do Hudson que relaciona possíveis movimentos no tênis a esta lesão.

Como evitar a lesão cotovelo de tenista
Como evitar a lesão cotovelo de tenista durante a prática do tênis.

Tratamento do cotovelo de tenista

Para o tratamento é importante avaliar o nível e o tempo de lesão, o processo de inflamação, as estruturas musculares, ligamentares, fasciais, articulares e nervosas.

Etapas da lesão cotovelo de tenista

Numa fase aguda a pessoa pode apresentar dor ao repouso e ao movimento, calor local, diminuição de força e dificuldade para pegar objetos e até mesmo para fazer um simples aperto de mão.

Nesta fase aguda é importante combater a inflamação. Você deve fazer repouso, gelo e consultar um médico para medidas anti-inflamatórias e analgésicas.

Após esta fase, quando não houver mais calor local e dor ao repouso, é importante iniciar um tratamento de fisioterapia com objetivo de melhorar as restrições, eliminar as tensões musculares, fortalecer a musculatura e restabelecer as funções.

Dicas de fortalecimento da musculatura do cotovelo

No vídeo abaixo demonstrarei alguns exercícios de fortalecimento, alongamento e stretching que você pode usar após sair da fase aguda de tratamento ou até mesmo como forma de prevenção.

Afinal, é melhor prevenir que remediar!

https://youtu.be/qtK-p_rQ-dk

Então é isso! Espero que tenham gostado. Nos ajudem a divulgar e qualquer dúvida, coloco-me à disposição para ajudá-los. Podem mandar suas mensagens aqui ou então no meu celular. 61-98163 8855 (Irineu Caixeta).  Até a próxima!

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert
Irineu Caixeta

Escrito por: Irineu Caixeta

Fisioterapeuta e Tenista



  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notificação de
guest
3 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
Adriano Salviano
Adriano Salviano
1 ano atrás

Resolvi este problema que já durava anos em 5 dias em uma estância hidrotermal, água a 40º e hidromassagem ao mesmo tempo. 3 a 4 vezes ao dia por 15 min a 20 min sobre os pontos doloridos: joelho, cotovelo, ombro e costas. Imersão até o pescoço. Cuidado com a natural diminuição da pressão arterial.

trackback

[…] saibro, os tenistas costumam ter mais lesões de membros superiores (cotovelo, ombro) já que o jogo se prolonga bastante, obrigando o jogador a repetir muitas vezes os […]

trackback

[…] Prevenção e tratamento da lesão “cotovelo de tenista” […]