Drills para melhorar sua atécnica no tênis
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

Fala galera, como vêm passado???

Hoje abordaremos os Drills e como eles podem ajudar a melhorar a sua técnica e a sua tática.

Drill nada mais é que o treino de repetição no tênis, normalmente, executado pelo professor com lançamentos de bola ou por máquinas de bolas de Tênis, muito comuns em países onde sua compra é mais viável pelo fator preço.

No drill, o professor direciona o aluno a aprimorar aspectos técnicos, como o movimento de um forehand, por exemplo. Logo, breve compreensão do aluno sobre o movimento e sua disposição em quadra, o professor coloca a carga do treino, lançando o número de bolas que achar mais conveniente, para que o aluno assimile o golpe.

Treinamento de Tênis

O fator bola muitas vezes é um atenuante, dificultando a compreensão do aluno, por conta disso, nem todo o drill é necessário à utilização da bola.

O passo a passo de uma aula de tênis abrange um bom warm-up (conforme comentado no último post do Irineu: Alongamento ou aquecimento no tênis?), um drill específico, um bate bola e consequentemente um jogo aos 15 ou 20min finais da aula.

Para tornar o Drill mais interessante é necessário o uso de materiais para demarcar a quadra, até mesmo marcando o retorno desse aluno ao centro da quadra, facilitando assim sua visualização da quadra como um todo.

1° Drill – Lançamento de bolas com a mão

 

  • Objetivo geral:
  1. Aumentar a intensidade do treino;
  2. Trabalhar o foot work;
  3. Aumentar o número de repetições dos golpes.
  • Objetivo específico:
  1. Elevar o treino a um limiar ainda não alcançado e melhorar a performance;
  2. Retornar para o centro da quadra e utilizar os passos cruzados e os passos laterais;
  3. Executar o golpe de maneira correta aumenta a fixação por parte do cérebro e do corpo (coordenação).
  • Professor: posicionado a frente do aluno, no centro da quadra e próximo à linha de base.
  • Aluno: posicionado atrás da linha de base, pronto para bater bolas de direita e esquerda abertas, forçando movimentar mais que um raio de 3 metros.

O aluno deverá realizar os passos de ajuste até a bola, realizar os passos cruzados e laterais para o retorno ao centro da quadra.

  • Carga: Dependendo do número de alunos em quadra ou do objetivo, pode soltar de 2 a 20 bolas para cada aluno.

O número de bolas servirá como um parâmetro para os demais treinos, visto que posso jogar bolas até a estafa física do aluno, colocando ali um limite (limiar) para  este treino em específico.

  • Variação: pode ser feito apenas com um golpe, mas mantendo a alternância dos lados, obrigando o aluno a fugir do lado do corpo para realizar um golpe inside out, inclusive em algum local demarcado por cones ou linhas na quadra.

2° Drill – Transição

  • Objetivo Geral:
  1. Melhorar ataque e voleio;
  2. Foot work;
  3. Tática.
  • Objetivo específico:
  1. Golpear a bola em linha horizontal;
  2. Ajustar o corpo para o golpe;
  3. Golpear na paralela na subida à rede.
  • Professor: Posicionado do lado oposto à rede do aluno, na linha de saque.
  • Aluno: Rebater 2 bolas, sendo uma de direita e outra de esquerda na linha de base, após o retorno ao centro da quadra bater uma bola de aproximação (sempre na paralela) e depois um voleio para definição do ponto.
  • Carga: 4 bolas para cada aluno ou para cada série.
  • Variação: pode ser usado como um jogo, posicionando algum aluno para receber o voleio, que obrigatoriamente deverá ser em algum lado da quadra e o jogo iniciado por ele. Enquanto um aluno golpeia as bolas do Drill, o aluno que espera pelo voleio pode trabalhar com alguma movimentação específica do Drill, para não ficar parado.
  • DICA: Este Drill pode ser executado pensando na disposição das bolas que o aluno rebate, pensando taticamente. Por exemplo, colocar cones próximos à linha de base e próximos às linhas laterais e forçar o aluno jogar lá para aumentar a profundidade e angulação dessas bolas.

Usar a bola de aproximação para entendimento tático!

“Por que essa bola deveria ser na paralela”?

– Para fechar os ângulos da quadra e se manter posicionado para um possível voleio.”

3° Drill – Devolução de saque e primeira bola agressiva

  • Objetivo Geral:
  1. Melhorar devolução de saque;
  2. Foot work;
  3. Tática.
  • Objetivo Específico:
  1. Rebater o saque com mais potência e precisão;
  2. Utilizar a base open Stance e transferir o peso para a bola;
  3. Atacar o segundo saque do adversário.
  • Professor: Posicionado no meio da quadra, um pouco a frente da linha de base. Professor saca a bola e após lança uma bola em meia quadra para o aluno realizar um golpe de aproximação, pensando em definir o ponto.

 

  • Aluno: Posicionado para recebimento de saque, algo em torno de meio metro da linha lateral e um metro atrás da linha de saque, dependendo da potência do saque do adversário.

Neste Drill o objetivo é atacar desde a devolução de saque, forçando a realizar um Split para frente e interceptar esse saque dentro da quadra, forçando o adversário a encurtar a bola que lhe foi devolvida.

https://www.youtube.com/watch?v=D02qO1PD89Y

h

  • Variação: o professor pode determinar um local a ser devolvido a bola e só com o acerto desta bola ele joga a bola mais curta, dando um tom mais real ao Drill.

DICA: Pode incluir, após a bola de meio de quadra, um voleio curto e um lob, dando sequência a uma jogada bem trabalhada tanto pelo aluno quanto pelo seu adversário.

  • Variação 2: Outra boa variação é realizar o Drill ao contrário, colocando o aluno para o saque e o professor joga a primeira bola, após a devolução, o aluno acelera essa bola para a definição do ponto. “Chamamos essa bola de Brahma, porque é a número 1. J”

4° Drill – Saque 1° e 2° Serviços

  • Objetivo Geral:
  1. Aprimorar o gesto;
  2. Trabalho de pernas;
  3. Toss;
  4. Trophy Position      .
  • Objetivo Específico:
  1. Sincronizar braço direito e esquerdo (Dominante da raquete e dominante da bola);
  2. Flexionar o joelho e saltar;
  3. Elevar o braço dominante da bola até o ombro tocar a orelha;
  4. Iniciar o saque até a posição de troféu.
  • Professor: Proximo aos alunos e do cesto de bolas, observando a execução de cada movimento, colocando as intervenções quando necessárias.
  • Aluno: Próximo a linha de base, sem pisar na linha (foot fault), executar o movimento sem intervenção jogando um braço para frente e outro para trás até que fiquem acima da linha da cabeça; Elevar o braço até que o ombro encoste na orelha para facilitar o lançamento e o contato visual com a bola; Flexionar os joelhos e após realizada a posição de troféu saltar apenas para o contato da raquete com a bola. A posição de troféu é a posição anterior a aceleração da raquete, quando melhor feita, maior chance de rebater a bola com altura,força e precisão.
  • Variação:
  1. Uma boa variação é colocar objetivos para o saque, como caso erre o primeiro serviço (flat), colocar o segundo saque em quadra usando os efeitos (slice ou spin).  
  2. Definir a colocação da bola pensando em ângulos abertos e fechados, marcar a quadra com cones ou tubos de bola.

 

5° Drill – Defesa e retorno ao centro da quadra

  • Objetivo Geral:
  1. Golpear bolas de defesa;
  2. Foot Work;
  3. Tática.
  • Objetivo Específico:
  1. Golpear bolas altas com 2 metros atrás da linha de base;
  2. Retomar o centro da quadra com passos laterais.
  3. Alçar a bola nas cruzadas a fim de obter profundidade e  empurrar o adversário para trás da linha de base e/ou para fora da quadra.
  4. Bater as bolas nas cruzadas.
  • Professor: Posicionado do lado oposto è rede do aluno, lançará bolas altas com ou sem efeito, depende do nível do aluno. Demarcar a quadra para que o aluno saiba para onde retornar após rebater a bola lançada; Demarcar a quadra para melhorar a precisão do golpe.
  • Aluno: Posicionado pouco atrás da linha de base, correrá para trás traçando uma linha diagonal em quadra (esta linha pode ser colocada com o auxílio de materiais para melhorar o entendimento) para conseguir se posicionar atrás da linha da bola para que consiga golpear com tempo para uma boa execução do movimento; jogar a bola na cruzada, pois é o local mais aconselhado a se jogar por ser mais longo e possibilitar tempo para o retorno ao centro da quadra.
  • Variação:

 

Conclusão

O Drill não deve ser a única coisa trabalhada em uma aula de tênis, pois a variação de bolas é muito intensa, sendo assim, uma mescla entre os drills, os bate bolas e os jogos são a combinação perfeita para uma aula bem elaborada.

Aumentar o esforço físico, controladamente, leva o aluno a ultrapassar o limiar de treino que ele normalmente suporta. Com um treino sistematizado é certo que ele melhorará condicionamento físico, resistência física específica (já jogaram outro esporte e perceberam que cansaram muito mais que jogando tênis???) e inclusive ganharam mais força.

Somos a favor da saúde e isso transforma o aluno, as dores diminuem, o sono melhora, aliado isso a uma alimentação equilibrada o corpo muda, esteticamente e funcionalmente.

Vale lembrar que estes Drills são um exemplo de como você pode dar um “breathing” ao seu professor para inclui-los nos seus treinos, como você pode ajustar para treinar com um amigo, basta ter algumas bolas para realizar o treino.

Todos estes treinos e muitos outros vocês encontram nas aulas da HC Tennis School. Acompanhe nossas mídias sociais:

Insta: @hctennisschool

Facebook: www.facebook.com/hctennisschool

Grande abraço pessoal e bons treinos!!! Play!!!

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert
Hudson Cardia

Escrito por: Hudson Cardia

Professor de Tênis



  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notificação de
guest
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
guilherme
guilherme
1 ano atrás

parabéns!!