Síndrome da pedrada ou lesão muscular
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

Para quem nunca levou uma pedrada e não sabe a dor que é, este termo foi criado para exemplificar o sintoma da dor quando há um estiramento muscular.

Provavelmente quem deu este nome à lesão já sofreu os dois. (Rs..)

Uma dor forte, em fisgada e incapacitante, que impede imediatamente que a pessoa continue sua atividade. 

Estiramento na panturrilha

Dependendo da gravidade da lesão a pessoa pode nem conseguir se quer apoiar o pé no chão; às vezes pode-se ouvir até um estalido no momento da lesão.

Muito frequente em atividades como corrida de rua e futebol, ela também é comum nas quadras de tênis.

Um estudo realizado em 2012 pelo Departamento de Saúde Profissional da Hofstra University constatou que esse tipo de lesão foi a mais comum nas edições do US Open entre 1994 e 2009.

Ano passado, por exemplo, Nadal fazia uma grande partida contra Cilic no Australian Open mas teve que abandonar a partida no 5o set por conta de uma lesão muscular na coxa. A final acabou acontecendo entre Federer e Cilic.

Os locais mais comuns de estiramento muscular são as panturrilhas e as partes posterior e adutora dos músculos da coxa.

Entendendo o estiramento muscular!

Como o próprio nome diz, o “estiramento” é um alongamento forçado do músculo além do seu limite, que pode provocar o rompimento de fibras musculares.

Lesões causadas por estiramento

Esse estiramento formará um processo inflamatório e pode causar hematoma, edema ou até mesmo um afundamento no músculo dependendo da gravidade da lesão.

O nível da lesão será determinado de acordo com o estiramento e/ou a quantidade de fibras musculares rompidas. 

Pode variar de um estiramento leve, onde não há rompimento de fibras musculares, moderado ou até mesmo uma ruptura total do músculo.

Os exames de ultrassom ou ressonância magnética são indicados para evidenciar o grau de estiramento sofrido.

Prevenção

A melhor forma de se prevenir é evitar o excesso de treino e/ou atividade física que causam fadiga, sem o tempo de repouso e descanso adequado.

Outros fatores também podem deixar a pessoa mais suscetível a esses tipos de lesões musculares como por exemplo a falta de aquecimento antes de se iniciar uma atividade física. 

Recentemente escrevi um post mais detalhado sobre o assunto, recomendo a leitura: Alongamento ou aquecimento no tênis?

E tem mais fatores: falta de flexibilidade e mobilidade, desequilíbrio de força de grupos musculares (ex: posterior e anterior de coxa), alimentação inadequada, poucas horas de sono, estresse, lesões má tratadas e até mesmo problemas dentários podem contribuir para o aparecimento dessas lesões musculares de estiramento.

Tratamento

Antes de mais nada, é importante a pessoa passar por uma avaliação clínica com um ortopedista para se verificar o nível de lesão, a prescrição de anti-inflamatório ou até mesmo há necessidade de alguma intervenção cirúrgica.

Em ambos os casos, a interrupção da atividade e o repouso são extremamente necessários. Assim como a crioterapia intensiva nas primeiras 48 horas. 

Em torno de 20-30 minutos de gelo no local, com compressão e elevação do membro; de 3 em 3 horas.

A fisioterapia se faz necessário para ajudar no processo de recuperação e reabilitação; através de medidas que ajudam a melhorar o processo inflamatório, exercícios de alongamento, fortalecimento e propriocepção.

Antes de voltar às quadras, é importante realizar alguns testes para verificar a resposta do músculo a alguns exercícios como por exemplo, corridas e tiros de explosão.

Tempo de recuperação

O tempo de recuperação pode variar entre 2 semanas a 1 ano, dependendo da gravidade da lesão.

Grau 1- Leve estiramento muscular sem ruptura de fibras musculares: 2 semanas;

Grau 2 – Estiramento muscular moderado: 8 a 10 semanas;

Grau 3 – ruptura do músculo : 6 meses a 1 ano. 

É isso pessoal. Com este post abordamos as principais lesões que acometem os tenistas em quadra. Se você quer saber também o que já escrevemos de outras lesões, acesse os links abaixo:

Evite lesões no joelho jogando tênis com essas dicas!

Prevenção e tratamento da lesão “cotovelo de tenista”

Lesão do Quadril no Tênis

Dor no Ombro – 5 dicas para evitar dores no ombro jogando tênis

Se gostou das informações, compartilhe!

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

Irineu Caixeta

Escrito por: Irineu Caixeta

Fisioterapeuta e Tenista



  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notificação de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments